top of page
  • Foto do escritorGUIA MIRAI

MORRE PAPA EMÉRITO BENTO XVI, AOS 95 ANOS; ELE RENUNCIOU AO POSTO EM 2013



Ex-pontífice, que estava com a saúde debilitada há algum tempo, vivia afastado do olhar público, em um mosteiro localizado nos jardins do Vaticano.


O ex-pontífice alemão Bento XVI, de 95 anos, morreu neste sábado (31). A morte foi confirmada pelo Vaticano. O papa emérito, nascido Joseph Ratzinger, se tornou em 2013 o primeiro pontífice a renunciar ao posto em seis séculos. Desde então ele vivia afastado do olhar público, em um mosteiro localizado nos jardins do Vaticano.


Após a renúncia, as poucas fotografias publicadas do papa mostravam o agravamento de sua saúde nos últimos anos. A saída de Bento XVI abriu o caminho para a eleição como sumo pontífice do argentino Jorge Mario Bergoglio, papa Francisco, que aos 86 anos também enfrenta problemas de saúde e, de forma velada, não descarta a possibilidade de renúncia.


Em abril deste ano, o arcebispo Georg Gaenswein, que foi secretário de Bento XVI durante vários anos, declarou ao Vatican News que o ex-pontífice estava "relativamente frágil", mas de "bom humor". Nesta quarta, o papa Francisco chegou a pedir orações para o seu antecessor.


"Eu gostaria de pedir a todos vocês uma oração especial pelo papa emérito Bento ... porque ele está muito doente, pedindo ao Senhor que o console e o apoie", disse Francisco durante a audiência geral.


No último vídeo de Bento XVI, divulgado pelo Vaticano em agosto deste ano por ocasião da tradicional visita dos novos cardeais, ele aparecia magro e debilitado, com um aparelho auditivo, incapaz de falar, mas com olhos vivos.


O pontificado de Bento XVI

Nascido em 1927, Joseph Ratzinger foi professor de Teologia durante 25 anos na Alemanha, antes de ser nomeado arcebispo de Munique. Em seguida virou o guardião do dogma da Igreja Católica durante outros 25 anos em Roma. E foi eleito líder da instituição em abril de 2005, como sucessor do polonês João Paulo II.


Como principal nome da Igreja Católica defendeu uma linha conservadora em temas como aborto, homossexualidade e eutanásia. Algumas de suas declarações provocaram confusão, sobre o islã, o uso de preservativo contra o HIV ou a excomunhão de quatro bispos fundamentalistas em 2009.


Seu papado também foi marcado pelo vazamento em 2012 de documentos confidenciais (conhecidos como "Vatileaks"), planejado por seu mordomo. O escândalo evidenciou que Cúria romana, a administração da Santa Sé, estava minada por uma rede de intrigas e pela falta de rigor financeiro.


Sua renúncia, anunciada em latim em 11 de fevereiro de 2013, foi uma decisão pessoal motivada pela saúde debilitada e não à pressão dos escândalos, afirmou o ex-pontífice em um livro de memórias publicado em 2016.


QUEM FOI BENTO XVI?


O papa emérito Bento XVI, morto neste sábado (31/12), aos 95 anos, foi o 265º pontífice da Igreja Católica. Ele renunciou ao cargo em 2013, após sete anos na função, alegando que a saúde frágil e idade avançada não estariam à altura das exigências da função. Foi a primeira renúncia de um papa em mais de 600 anos.


Bento XVI tinha 95 anos e se encontrava encontrava em estado grave. A causa da morte ainda não foi confirmada. O papa Francisco, atual chefe da Igreja Católica, pediu orações aos fiéis para o seu antecessor, no início desta semana.


Nascido Joseph Aloisius Ratzinger, o papa emérito foi eleito em 2005 para suceder João Paulo II, e renunciou ao cargo em 2013. Desde então, mora no Mosteiro Mater Ecclesiae, dentro dos jardins do Vaticano, com o secretário dele, o arcebispo Georg Ganswein, auxiliares e uma equipe médica.


Teólogo com perfil conservador, Bento XVI foi grande defensor das doutrinas mais ortodoxas da Igreja Católica. Seu pontificado foi marcado por protestos e escândalos, com denúncias de atos de pedofilia dentro da Igreja.


Origem humilde

Ratzinger nasceu em 16 de abril de 1927, em uma pequena vila chamada Marktl am Inn, na Baviera, Alemanha, às margens do rio Inn. Seus pais eram Joseph, um comissário de polícia, e Maria Peintner, uma cozinheira filha de artesãos, de origem humilde.


Ele chegou a participar da Juventude de Hitler durante a adolescência, o que gerou polêmica após sua eleição – a participação no movimento era obrigatória desde 1939 e o Vaticano justifica que, assim que pôde, o jovem Ratzinger optou pelo seminário.


Ele entrou no seminário em 1939 e se tornou padre em 29 de junho de 1951. Estudou filosofia e teologia na Escola Superior de Filosofia e Telogia de Frisinga e na Universidade de Munique. Em 1997 foi ordenado bispo e, no mesmo ano, o papa Paulo VI o nomeou cardeal.


Conclave

Na tarde de 19 de abril de 2005, Ratzinger foi escolhido como papa para suceder o futuro santo João Paulo II, que exerceu a função por 26 anos, 5 meses e 17 dias. P0róximo do Pontífice, o cardeal se tornou o favorito no conclave que o elegeu, em 2005.


Depois de dois dias e quatro rodadas de conclave, às 17h56 (horário local), a chaminé da Capela Sistina exalou a fumaça branca: havia sido escolhido o 265º sucessor de Pedro. Então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Ratzinger pediu para ser chamado de Bento XVI.


A explicação: ele queria se inspirar na coragem de Bento XV (1914-1922) durante a 1ª Guerra Mundial. E também em São Bento de Núrsia, copadroeiro da Europa, chamado de Patriarca do monarquismo ocidental.


Ao aparecer em público como papa pela primeira vez, ele disse:


“Amados Irmãos e Irmãs, depois do grande Papa João Paulo II, os Senhores Cardeais elegeram-me, simples e humilde trabalhador na vinha do Senhor. Consola-me saber que o Senhor sabe trabalhar e agir também com instrumentos insuficientes. E, sobretudo, recomendo-me às vossas orações”.


Bento XVI esteve no Brasil em maio de 2007, quando canonizou o primeiro santo nascido no país, Santo Antonio de Sant’Anna Galvão, o Frei Galvão.


Renúncia

O papa Bento XVI anunciou sua renúncia em 11 de fevereiro de 2013, e deixou o cargo em 28 de fevereiro de 2013. Segundo o próprio papa, foi uma “escolha difícil”, mas feita “em plena consciência”. Diversas vezes ele falou que não se arrependia. E sempre deixou claro que renunciava por causa da velhice.


“Alguns de meus amigos um tanto ‘fanáticos’ ainda estão irritados, eles não quiseram aceitar minha escolha. Acreditam nas teorias de conspiração: alguns disseram que foi por causa do escândalo Vatileaks, outros por causa de um complô da lobby gay, outros ainda por causa do caso do teólogo conservador Lefebvrian Richard Williamson. Eles não querem acreditar em uma escolha feita conscientemente. Mas minha consciência está limpa”, explicou Bento XV, em uma entrevista reveladora ao jornal Corriere della Sera.



GUIA MIRAI

Commentaires


bottom of page