top of page
  • Foto do escritorGUIA MIRAI

AVÓ QUE PULOU DO 4° ANDAR DE PRÉDIO EM CHAMAS PASSARÁ POR CIRURGIA

Conselho Tutelar de Patos de Minas considerou o caso como surto psicótico e informou que a autora do incêndio, de 11 anos, irá morar com o pai em outra cidade



A mulher de 53 anos que pulou do quarto andar de um prédio em chamas em Patos de Minas, na Região do Alto Paranaíba, no último sábado (14/10), terá que passar por uma cirurgia. Mesmo tendo a queda amortecida por uma pilha de colchões, ela, que é avó de uma menina de 11 anos, fraturou os dois pés.


A informação foi confirmada ao Estado de Minas por um funcionário do hospital onde a vítima está internada. Apesar do susto, ela passa bem e segue em observação. Seu companheiro, de 70 anos, também se jogou do apartamento, mas não precisou de atendimento médico. O incêndio teria sido provocado pela neta do casal.


Durante depoimento, o avô informou que a menina era autorizada pela mãe a passar a maioria dos dias da semana com eles, e que ela estava impedida de usar o celular.


Já a avó relatou que percebeu que a garota pesquisava sobre “rituais de bruxaria” no smartphone, mas afirmou não saber se o incêndio foi provocado por influência dos conteúdos. Ela disse, ainda, que a neta tem episódios de mudanças comportamentais frequentes e oscilação de humor.


A menina disse aos policiais militares que trancou as portas do apartamento e ateou fogo no sofá antes de descer para brincar de patins na área externa do condomínio.

Devido à idade da criança, que estava com o estado emocional abalado, não foram feitas perguntas mais detalhadas. O caso foi encaminhado ao Conselho Tutelar.

Menina irá morar com o pai

O EM entrou em contato com o Conselho Tutelar de Patos de Minas, que informou, por meio de nota, que a criança passou por atendimentos psiquiátricos e psicológicos e que ela irá morar com o pai, em Divinópolis.

O órgão também classificou o caso como um 'surto psicótico' e afirmou que o Conselho Tutelar da cidade do Centro-Oeste de Minas passará a acompanhar a criança.


“Ela está arrependida, envergonhada e não tem proporção do tamanho do estrago pela pouca idade que possui. O atendimento no Caps foi excelente e foi feito um relatório para que ela seja acompanhada por um psicólogo”, diz um trecho da nota.

Devido à perda de muitos pertences com o incêndio, a família será encaminhada para um Centro de Referência de Assistência Social (Cras)

Relembre o caso

O casal estava em casa, em um apartamento localizado no Bairro Ipanema II, na tarde do último sábado. A criança entrou no quarto e pediu para usar o celular, o que foi negado. Diante da recusa, ela disse que desceria para brincar na área externa do condomínio, saiu e fechou a porta.

Os avós adormeceram e acordaram sentindo o cheiro de fumaça e ouvindo barulhos de estalos de madeira.


O idoso tentou abrir a porta do quarto, percebeu que ela estava trancada e decidiu arrombá-la. Ao abrir, ele foi surpreendido pelas chamas.


O casal foi até a janela, percebeu que moradores estavam empilhando colchões sobre o solo e decidiram pular. A avó foi primeira a saltar e, logo em seguida, o homem também se jogou. Com dores, a mulher foi encaminhada para o Hospital Regional Antônio Dias, em Patos de Minas.

 

Fotos do interior do apartamento mostram o local destruído e vários móveis danificados.



GUIA MIRAI

(por Estado de Minas)

Commenti


bottom of page