top of page
  • Foto do escritorGUIA MIRAI

ADOLESCENTE DE 14 ANOS ALEGA TER SIDO ESTUPRADA E MANTIDA EM CÁRCERE PRIVADO POR ADVOGADO EM VIÇOSA


Um advogado de Viçosa é suspeito de ter estuprado e mantido uma adolescente de 14 anos em cárcere privado. A denúncia contra o homem, de 28 anos, foi registrada na Polícia Militar (PM) pela mãe da menina no início da semana.


De acordo com o Boletim de Ocorrência (BO), a mulher contou que a filha fugiu de casa no dia 19 de abril e foi encontrada no último domingo (23) na casa de um ex-namorado, no Bairro Nova Viçosa.


Aos policiais, a mãe disse que questionou a garota sobre ela ter fugido e o motivo. A menina explicou que estava em uma praça, no Bairro de Fátima, quando um estranho se aproximou e, após conversarem, eles foram para a casa do advogado.


À polícia, a adolescente contou que falou para o advogado que fugiu da mãe e que ele teria oferecido a residência dele para ela ficar.


Festa e uso de drogas

A menina ainda revelou que o advogado fazia uso constante de cocaína e na última sexta-feira (21) falou para ela chamar alguns amigos para uma festa.


A adolescente chamou dois amigos: uma garota, de 16, e um menino, de 13. Lá, conforme o registro policial, o advogado teria obrigado a menina mais velha a usar cocaína e dito que eles “faziam parte de uma gangue e que não estavam ali à toa”.


Neste momento, a adolescente de 16 anos foi embora da residência.


Denúncia de estupro

Aos policiais, a menina contou que após a amiga ir embora, o advogado a jogou na cama e a estuprou.


O menino de 13 anos teria presenciado o estupro e foi embora logo em seguida. Ainda de acordo com o BO, na madrugada de sábado (22), a adolescente disse que tentou ir embora, mas foi impedida e que só conseguiu “sair no fim da tarde”.


No depoimento, também contou que foi ameaçada pelo advogado caso contasse algo e que ele “fosse preso iria matá-la e que ele tem muito respeito no morro”.


A versão apresentada pela adolescente foi confirmada pelos dois amigos dela.


Em nota, a Polícia Civil informou que o caso é apurado pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher pela delegada Clarisse Machado, que realiza todos os procedimentos necessários. O advogado não foi preso.


GUIA MIRAI por G1 Zona da Mata.

Comments


bottom of page